27 de set de 2007

Coisas da vida

Decidi quando estava na sétima série que queria fazer biologia, depois de uma aula sobre Sistema ABO. Eu sempre me dei bem em ciências e adorava genética também. Tinha em mente idéias sobre evolução e muita curiosidade sobre paleontologia. Queria ser cientista, usar avental e enxergar tudo através de um microscópio. Pedia “Alquimia” pra minha mãe e me sentia a mais ofdona mexendo naqueles tubos de ensaio.

Muitos optaram por fazer um curso que estava bom pro mercado de trabalho, outros escolheram um curso que dava dinheiro. Eu escolhi fazer o que me fascinava. E no meio do caminho, tudo deu errado.

Fui pra faculdade com foco ambiental, e eu não estou nem aí pro meio ambiente. Não me preocupo muito com os animaizinhos e as plantinhas então, nem se fala. Eu deveria ter feito Biomedicina, mas agora já foi. Eu procurei estágios pra ganhar dinheiro e agora que está acabando, me falta experiência pra fazer o que gosto.

De repente, vi que sei o que gosto. Mas não sei como usar. Deve ser pânico normal de quem está se formando. Sei que talvez esse diploma não faça muita diferença na minha vida e agora tenho que trabalhar. Com qualquer coisa! Eu aprendo fácil! Mas falta oportunidade. E eu me pergunto todos os dias, será que vale a pena fazer o que gosta?

26 de set de 2007

Meu sistema imunológico é dos bons!!!

A mimação e proteção aqui em casa foi tão grande que euzinha aqui não tive várias dessas doenças de criança. Fico feliz por jamais ter tido nenhuma das ites, nem rinite, nem sinusite, nem bronquite, muito menos asma.

Sarampo eu sempre ouvi falar que deixa com manchinhas vermelhas, mas eu nem sei se é verdade. Caxumba eu já tive suspeita, mas nunca chegou a concretizar. Então, uma a menos. Coqueluche, essa tem um nome engraçadinho, mas também nem sei que é.

Rubéola!!! É!!! Essa eu já tive, mas quando era bem pequenininha. Uma vez a pediatra pegou meu pescoço e matou na hora que eu já tinha tido rubéola. E acho que é o melhor, né? Eu não preciso participar das campanhas de vacinação e meus futuros filhotes não correm risco.

A que sempre me botou medo foi a tal da catapora. Eu sempre fugi dela, já tive suspeita, mas não era. O que interessa é que minha priminha pequenininha, folgada e ainda por cima magrela foi pega pela catapora. E eu a abracei e beijei na quinta passada. É caros, colegas, estou com o c* na mão. Dizem que quanto mais velho, pior é. E até passar domingo a noite (quando completa 10 dias do meu contato com o danado do vírus) é que eu vou ficar aliviada. Será que eu não consegui fugir dessa vez?

Se eu peguei catapora, não se esqueçam que eu amo todos vocês!

Vou te mostrar que é de chocolate...

Esses dias atrás, eu estava saboreando um deliciosíssimo chocolate branco e pensando porque as pessoas têm preconceito quanto à maravilha. É muito bom! A voz da Taís ecoou na minha cabeça dizendo que ele não era nem de cacau, mas aí eu fui olhar nas tabela de ingredientes e vi que era de manteiga de cacau. Não parei por aí e fui procurar um pouquinho mais a fundo.

O chocolate branco possui um sabor particular, diferindo do escuro na composição: é feito com manteiga de cacau, leite em pó e essência de baunilha. O cacau elaborado resulta em: manteiga de cacau, cacau ou chocolate em pó e chocolate em barra. Cada tipo de chocolate apresenta porcentagens diferentes de açúcar

  • Chocolate ao leite: 60%
  • Chocolate branco: 59,4%
  • Chocolate meio amargo: 51,4%

Pessoas, comam chocolate branco! É bom, é melhor! Eu garanto!

25 de set de 2007

Amizades

Acho difícil às vezes entender a diferença entre desejar e realmente ser, principalmente quando o assunto é amizade. Não sou um dos seres humanos mais sociáveis da via Láctea, mas gosto e admiro muitas pessoas. Queria que elas estivessem ali, fazendo parte de cada segundo do meu dia-a-dia, mas entendo que nem sempre é possível.

Os rumos e as bifurcações quase sempre nos levam a caminhos diferentes. Às vezes a gente arruma uma trilha pro caminho do outro, mas na grande maioria, as pessoas estão apenas deixando a paisagem mais bonita, complementando aquela fase complicada. Elas nos ajudam a crescer, mas simplesmente passam.

Ainda que não por perto, eu bato palmas de longe. Agradeço também. E critico se me dá na telha. Penso como era legal, sinto saudades. Eu desejo, como eu gostaria que a pessoa estivesse por perto, mas me convenço de que os caminhos foram diferentes.

Uso para as amizades a mesma teoria dos baús. Cada pessoa que entra realmente na nossa vida, e que se faz importante, cria um baú sobre o mar. Este baú pode ficar aberto para sempre, pode se fechar, pode afundar. Mas para sempre ele vai estar lá, e sempre com um grande tesouro.

24 de set de 2007

Meu pai é mala!

Deve ser chato ser pai. A contribuição mesmo é só de 23 cromossomos e o serviço tá feito! Quem carrega por 9 meses é a mãe e acho que o lance do umbigo fica eternizado pra sempre.

Pais são bichos estranhos. Esses dias atrás descobri que além de bicho estranho, meu pai é o verdadeiro e autêntico mala, desses que fazem a piada do pavê ou pra comê, senta na ponta paga a conta e até espirra falando whiskey.

Eu poderia fazer uns 15 posts criticando o meu, falando das nossas brigas ou relatando os casos de quando conto alguma coisa que acabei de aprender na faculdade e ele "duvida" do que eu estou falando. Acho que o fato astrológico tem grande impacto sobre nosso o relacionamento, afinal, eu nasci em 31/01 e ele em 13/10.

Entretanto, apesar de todas as brigas, desde que eu fale baixo com ele, ele faz tudo que eu quero. E é até um pai batuta! Nem todos os pais emprestam o carro pro namorado da filha pra baladas ou qualquer outra coisa (desde que ele não vá usar, claro), e abastece a geladeira de Yakult pra filha, namorado e amiga.

Meu pai também faz questão de levar em todos os lugares, sempre que dá. Não interessa se é perto ou longe, entrevista de emprego ou shows. Ele leva e vai buscar. Compra também tudo que eu peço na medida do possível, mas sempre dá um jeitinho se eu falo que é importante (me mima mais que a minha mãe nesse aspecto).

Ele que me apresentou a Nova Brasil e a Alpha. Os cds "legais" que eu tenho aqui em casa são dele, como U2, Raul Seixas e Metallica (como escreve Metálica? com dois ts, com dois ls? Ahh, whatever). Ele tá sempre em dia com os e-mail e me perturba todas as manhãs entrando no meu quarto, ligando meu computador, abrindo minha janela e colocando a tv na Record.

Não conversa sobre coisas muito importantes e deixa essa parte pra mãe. Ele não mede muito as palavras e geralmente, eu saio chorando de toda e qualquer discussão. Levantou a voz, já era.

Sabe, ele é um cara legal.

21 de set de 2007

O dia em que ele subiu no telhado

Lindo, simpático. Como isso foi acontecer? Não consigo conter as lágrimas...

Ele que me acompanhou por tantos anos, sem me deixar de lado. Que trazia alegria pra esse quarto e que me proporcionava os melhores momentos. Ele sabia tudo que eu gostava e fazia tudo que eu queria.

Pontual, isso eu realmente admirava. Um pouco egoísta é claro, mas quem não é? Eu entendia essa coisa de não querer que nenhum outro igual a ele reproduzisse o que ele era capaz.

As pessoas tinham uns mais novinhos, mas eu não abri mão e não o abandonei.

Ele me contava tudo exatamente como tinha acontecido, era bom de detalhes. Coração bom, até para os outros, caso fosse necessário, lá estava ele.

E a abandonou. Ela era tão dependente dele que eu duvido muito que um dia, ela volte a sequer falar novamente. Ela é inútil sem ele.

Acordei e quando me dei conta, ele já não estava mais entre nós.

Quem vai gravar Desperate Housewives pra mim? E Project Runway? Não acredito! Vou ter que viver de reprises. E eu quer gravava e assistia em seguida só pra poder pular os comerciais? Meu vídeo vai deixar saudades. E sem ele, minha tv é inútil, ela é muito velha e não aceita a tv a cabo. Vou ter que pegar meu edredom, migrar pra sala e brigar pela tv que não sai da Globo.

19 de set de 2007

Essa foto...

Foi tirada em um dia que parecia que ia nevar... O frio congelante passava pelas nossas blusas de frio enquanto jogávamos conversa fora em uma mesinha do Fran´s Café. A vida estava mudando, a Taís já trabalhava e a faculdade já tomava tempo. Bons tempos. Eu tinha comido um croissant de chocolate e o Danilo e o Rubens se sentiram os mais ofdões do mundo por terem encontrado uma maleta ninja!

Foi em um dos últimos dias de aula. Dá uma olhada na minha cara de mamãe não quero crescer. Quem bateu a foto foi o Danilo e naquele mesmo dia, eu assisti pela primeira vez o "Sunscreen" depois de uma apresentação de teatro do F. Se não me engano, era Romeo e Julieta. Fiz também uma prova de inglês e a Eloísa brigou comigo porque cheguei atrasada. Era sobre voz passiva e eu tirei B. Muito difícil tirar MB com a Eloísa!


Marca o fim da "corrente". Acho que nunca mais fomos pra praia com o pessoal da escola depois dessa vez. Eu, Taís (e seu edredom), Fábio e Gabriel tiramos essa foto porque estávamos sempre juntos, mas a foto fracassou. Ficou feia, coitada. Acho que é porque a união estava no fim. Foi perto do meu aniversário há mais de 2 anos. Nesse dia choveu muito e nós saímos pela rua com aquelas espumas de carnaval. Todo mundo depois foi pro mar, menos eu, porque eu tenho medo!


Foi quando eu, Tata e Muta assistimos, se eu não me engano, O Código da Vinci. A Taís estava com o cabelo preso com umas borboletinhas da Rê. Comemos no Mc como dita a tradição e enquanto esperávamos o filme começar, ficamos tirando fotos nas mesinhas do Anália Franco. Foi um sábado a noite de solteiros sem balada. Com direito a camiseta e all star. O Muta, recém chegado da Suíça, levou vários chocolatinhos suíços pra gente saborear.
Está na nossa pasta escrito "Fotos 1". Foi uma das primeiras vezes que viajamos juntos e enquanto meus pais resolviam os últimos detalhes do apartamento, nós tomávamos sol. Eu estava morrendo de vergonha de ficar de biquíni na frente do Du! A gente conversava sobre relacionamentos antigos e naquela época nem me importava. Estávamos uns quilos mais magros que hoje e por esses dias aí que comecei a me importar tanto com ele. Nesse mesmo dia, mais tarde, assistimos o show do Kid Abelha.

Xiii, texto estranho

Tão sentindo?
Tô feliz... =) risos!
Por quê?
Não sei... Eu estava quase desligando o computador pra ir dormir e aí fiquei feliz. Resolvi dividir com o meu blog. Deve ser hormonal. Eu estava normal aí de repente fiquei hormonal, risos!, brincadeira (era só pra rimar), aí fiquei feliz.

Que estranho essa coisa de ficar feliz, né? Minha vida continua a mesma merda, mas pareceu que eu tomei um banho de felicidade, que jogaram pó mágico em mim, tipo um anjo (vamos mudar de assunto que esse tenho medo).

Fico feliz com várias coisas. Fico feliz quando sinto cheiro de pipoca doce. E quando já estou feliz, posso fechar os olhos que o cheiro de pipoca doce simplesmente flutua pelo ar.

Fico feliz quando alguma coisa não esperada acontece, uma mensagem, um e-mail, uma carta, um telefonema, um carinho.

Fico feliz também quando sinto cheiro de grama molhada. Significa que a chuva já passou e que depois de tomar o leite a gente vai poder brincar na balança.

Fico feliz quando o abraço é tão superior que a gente substitui pelas palavras.

Fico feliz quando lembro que fiz alguma coisa boa. Aí meus olhos enchem de lágrima, eu respiro fundo e sorrio satisfeita.

Fico feliz quando estou conversando com a Taís no icq e estamos meio sem assunto e ela fala "risos!". Abro um sorriso na hora! Quem não abre quando vê essa palavra escrita? Risos!

Fico feliz quando tem uma grande comemoração. Uma grande festa de aniversário, ano novo - vida nova, natal, formatura...

Fico feliz quando penso na família maravilhosa que tenho. Já pensou se acontece alguma coisa com um dos meus primos? Não consigo nem pensar.

Fico feliz quando penso que isso tudo é só uma fase. Que eu não vou ficar desempregada pra sempre e sem dinheiro. O que é meu está guardado e escondido pra ninguém achar primeiro.

Fico feliz porque cansa ficar triste.

"O essencial é invisível aos olhos..."

Leitura e Produção de Texto

Foi nessa matéria aí que eu mais aprendi sobre Língua Portuguesa. Era conhecida como LPT e faz parte da grade das ETEs. Tinha também a Língua Portuguesa e Literatura (LPL), mas dessa aí eu não gostava, porque só tinha literatura.

Nem gostar de ler eu gosto, sabia? Ou melhor, não amo, mas gosto. Gosto de coisas curtas e simples, como os textos da Amanda ou do Garotas. Grandes livros com grandes histórias, de jeito nenhum – só se for Harry Potter.

Apesar de não ser uma grande apreciadora de leitura, gosto de escrever. Tento usar a gramática e a tal da produção de texto, mas fica longe de ser bom. É uma coisa que chama inspiração, sabe? Você sente a vontade de escrever, senta e escreve. Se eu tiver que escrever sobre alguma coisa, nunca sai nada (por isso a nota sempre baixa em LPT e LPL).

Tenho certeza que peco pra caramba nas vírgulas - acho que vírgula é muito subjetivo! risos! Vou respirar, e de novo, e again, e mais uma vez, risos! brincadeira, eu lembro das regrinhas.
Coesão, coerência... Nem sei que são. Conto fielmente com o corretor ortográfico não só pelas palavras erradas, mas às vezes pareço digitar com os cotovelos. E por aí vai... O que vale é a intenção.

Tipo esse texto que não vai ter fim. Tchau =)

18 de set de 2007

Papo de mãe

Quando era pequenininha tive que tomar muito antibiótico e eles estragaram meus dentinhos de leite. Tive que ir logo pra uma cadeira de dentista e minha mãe só me convenceu a abrir a boca quando disse que o dentista desenharia a Mônica na obturação de um lado e a Magali do outro.

Eu mostrei os dentes em quadrinhos até uns 8 anos pra todo mundo. Eu olhava e não via nada, mas se todos diziam “olha, que bonitinho” quando eu mostrava, devia ser verdade!

Se a chuva começava ficar forte, logo viriam os raios e trovões. Era a hora de sair correndo e calçar os chinelos, porque minha mãe sempre disse que se caísse um raio por perto e eu estivesse descalça, eu ficaria eternamente grudada no chão. Eu até tentava desafiar pensando que seria legal não ir mais pra escola, mas quando via que a chuva estava piorando, o pânico não me deixava ficar de pés nos chão. Ás vezes até deitava e colocava as pernas pra cima pra garantir que não ficaria grudada pra sempre.

Na casa da minha avó tinha um corredor enorme, bem comprido e fino. E já passei por ali acho que até dando cambalhota, mas minha mãe ficava morrendo de medo de eu me machucar e criou o “se anda pra trás a mãe morre”. Ela dizia que minha avó falava isso pra ela, mas eu acho que era só pra evita algum acontecimento machucoso... Eu sei que respeitava, né? Vai que andando de costa eu mato minha mãe! Eu hein...

Com a mesma desculpa de ficar órfã de mãe, a minha conseguia manter a organização. Ela dizia que se deixa o calçado virado, a mãe morre também. Até hoje fico de olho quando um ou outro vira sem querer, vou logo arrumar. Longe de mim ficar sem mãe por causa de um chinelo ou tênis. Apesar de nunca ter acreditado, eu sempre tive um pé atrás com essas coisas. Acho que na próxima chuva vou testar o do trovão.

Ai ai... Mães...

16 de set de 2007

A Nova Geração

Não tenho irmãos, mas pra compensar, tenho muitos primos.
Sou a neta nº 4, e quando cheguei aos 12, 13 anos, os meus primos mais velhos já tinham filhos e só tinha 2 da minha idade, uma 4 meses mais velha e um 1 ano mais novo.

Sei lá o que aconteceu com as minhas tias, mas elas viraram umas máquinas de fazer filhos. Agora conto com 20, entre primos, conjugês e primos de segundo grau.
Quatro deles estão exatamente nessa fase. É tão bom, através deles a gente lembra de cada coisa!

Como era insegura nessa época! Ficava horas e horas me preparando e sofrendo porque ia ver alguém especial e talvez pudesse acontecer alguma coisa. E era só sobre isso que se falava com as amigas! Quem era mais bonito, quem gostava de quem...

Tem que tomar cuidado com quem fica na escola, porque todo mundo fica sabendo e ninguém quer ficar com fama. A roupa também é importante, um errinho e adeus vida social. Pela net todo mundo espalha as fofocas pelos orkuts e msns... Aquela ansiedade com os passeios da escola, primeiro beijo, paqueras... Ohhh tempinho bom!

Agora minhas primas estão nessa fase. é muito legal ver que continua tudo igual e a gente pode participar um pouquinho.

Na foto: Gabi, Julie e eu

Gabi, sei que você está ansiosa, mas não importa a roupa que você vai usar no passeio sexta, você estará linda de qualquer jeito!

15 de set de 2007

Nerdismo

Não entendo a necessidade das pessoas em ser diferente, em fazer parte de um "bando". Eu, por exemplo, sou normal. Não gosto só de certo tipo de música, nem ponho uma roupa de jeito ou cor tal pra aparecer, não pinto meu cabelo de rosa ou verde, não faço tipinho, não sou emo, nem revoltada e nem patricinha.

Por que os que usam preto não podem gostar de forró? Eles têm que passar calor mesmo no verão? E aquelas correntes e aquelas maquiagens que afff ainda bem que eu não sou, nunca ficaria bem em mim.

A pessoa simplesmente segue uma ideologia, ou faz só o que tá na moda, ou resolve ir atrás daquela bandinha fulera de rock.

Particularmente, o grupo que desaprovo muito é o dos nerds. Se você é inteligente, parabéns! Use isso para seu proveito, não vem me encher o saco com aquelas palavras compridas e difíceis e nem mostrar que sabe de tudo. Nada é novidade pra esse povo, tudo eles já viram em algum lugar ou conhecem profundamente.

Quando o negócio é música, eles conhecem tudo, mas gostam daquilo que ninguém conhece. Se vestem de um jeito estranho "porque não ligam pra aparência, o que interessa é o que está por dentro". Sempre têm o melhor da tecnologia e gostam daqueles malditos mangás e RPG.
Eles acham as japas mais bonitas, mas são incapazes de arrumar uma namorada. Ainda que contem que ficam de vez em quando com alguém, ninguém tem provas.

Mas estou sendo muito má, tem muitos nerds legais, que não seguem o que disse aí em cima (pelo menos não tudo). O pior de todos (o que acredito que não seja só com os nerds, mas com todo grupinho) é aquele que não é nerd, mas quer ser nerd. Então ele se junta com um grupinho de nerds e aí sim, faz tudo isso que está aí em cima. E além de tudo se acha f*dão.
Quanto a esses últimos que disse aí, tenho certeza comem catota.

13 de set de 2007

Caro Professor

Eu choro por tudo, mas não tenho culpa que você é um otário.
Você fica aí, olhando pra cima com essa cara prepotente pra esconder que na verdade, você é um bosta. Eu disse B-OoOoO-S-T-A.
Desculpe não falar na sua cara, é que eu sou bundona, mas não ache que você me engana não.
Talvez na época que você estava começando as coisas eram mais fáceis, mas vou te falar uma coisa, querido, os tempos mudaram. Emprego não dá em árvore, muito menos dinheiro. Então pára de fazer doce e aceita o que a gente tem a oferecer, sem ficar pressionando só pra se sentir f*dão.
Sei do seu caso com aquele outro que gosta de plantinha, sua bichona!!!
Te odeio!!! Piranhão (me sinto bem xingando as pessoas assim).
Sei que você não acha que precisamos estudar o que estudamos para fazer esse tipo de trabalho, mas eu também não acho que precisaria ser você pra ver se "as referências bibliográficas" estão corretas e nem por isso, eu saio por aí magoando as pessoas.
Já te chamei de bosta? Seu bosta...

Ahhhhhhhhhhhhhhhhh!!!

Tenho medo de barata ou qualquer tipo de invertebrado, medo de fantasma, medo de gente morta, medo de espírito, medo de monstro, medo de alma, medo de gente feia (acho que elas podem virar montros a qualquer momento), medo de sombra, medo de escuro, medo de filme de terror, medo de suspense, medo do que não to conseguindo enxergar, medo de barulhinho, medo de sussurro, medo de quase tudo.

Tenho medo da introdução daquela música "Eu nem sonhava te amar desse jeito...". Quando chega na parte de "...possa expressar o meu súbito amor" eu já estou agonizando. E quando ele fala "quero acordar te sentindo ao meu lado", sai fora, meu!

Já tive medo do Pânico, do Chucky, mas teve um que não passou nunca. Sexto Sentido. Quando fiz meu quarto, me certifiquei que teria gavetas em baixo da cama pra ninguém puxar meu pé e me entregar uma caixinha. E nunca fico no escuro no começo do corredor, pra ninguém passar no final do meu quarto pro quarto da minha mãe com a cabeça baleada.

Eu não assisto Lost sozinha, não assisto mais Heroes de noite (acho que se olhar no espelho, a Jessica Sanders vai dar tchauzinho) e nem Charmed, sempre ligo pro Du com o coração acelerado depois de Desperate Housewives, sempre é assustador.

Sempre acho que quando abrir a porta do banheiro, vou encontrar aquela que se enforcou em Garota, Interrompida pendurada no box. Confiro pra ver se minha boneca Pauline não vai de repente olhar pra mim e isso é trauma de Presença de Anita.

Desde que tive um sonho há muito tempo atrás, nunca mais vesti aquele shorts listradinho e sentei na minha cama com a perna cruzada. Acho que a vó do meu primo pode aparecer e a cliente da minhã mãe que morreu, conforme o sonho. E elas vão ficar ali paradas, rindo de mim e eu não vou conseguir gritar.

Depois que entro no meu quarto, não saio por nada. Não vejo nada assustador na internet, não deixo a tv em canal que passa coisa ruim e entro em pânico se a tv sai do ar (vai que aquela menininha do poço vem e me mata). Se vejo uma foto feia, fecho. Não abro anexo em powerpoint porque eles me assustam. Fecho a janela do banheiro pra não ver a cruz da igreja e evito espelhos.

Alguém pode indicar uma psicóloga?

Olha que assustadora a vista da minha janela.
Observação pós comentário da Taís: Eu me cago de medo de Jesus. Fico achando que ele vai aparecer aqui na minha casa falando "você achou que eu não existia, né? Toma essa agora!!". Por via das dúvidas, não se fala sobre isso aqui em casa. Principalmente a noite. Nem sobre Deus. Tenho medo da minha avó também. Ela fica andando quietinha pela casa.

12 de set de 2007

Elas

Minha primeira amiga. Dividia a mesa do pré e o giz de cera. O nome era Luana e ela estava presente nas minhas festinhas, íamos na casa uma das outras e brincávamos de piquenique. Mesmo tendo estudado juntas só até o pré, ela veio nas minhas festinhas até a quinta série. Agora ela está no meu orkut, mas não temos mais contato.

A Ana Carla viria pouco tempo depois, na primeira série. Com essa eu jogava futebol. Enquanto eu fingia que era a goleira Fernanda, ela era “o Carlão!”. Que Fim será que deu Ana Carla? Faz muito tempo (uns 10 anos) que eu só escuto rumores. Ela sempre vinha em casa brincar comigo e eu estranhava quando ela aparecia de vestido.

A Raquelzinha, toda pequenininha e delicada, que me apresentou o bambolê. A gente estudava a tarde e quase todo dia uma ligava pra casa da outra às 9 horas da manhã (porque aí não era nem muito cedo nem muito tarde). Tinha a Roberta também, nós andávamos todas juntas no intervalo e fazíamos os trabalhos e tal.

E a Carol? A Carol era muito legal! Ela saiu na 5ª série porque a perua não ia até a casa dela. Sei que ela chegou a dançar na minha festa de quinze anos e só agora mesmo perdemos contato.

A Adriana vai casar (ou já casou)! Ela saiu da escola já na 7ª série e até hoje ainda trocamos scréps. Achava maior legal que ela morava na rua Planeta. Ela gostava de Sandy e Júnior, tinha um irmão bonitão e a prima dela ia na morar e nos levava ao shopping. A Drica topava tudo! Ia viajar com minha família, sempre íamos ao cinema, ela assistiu 10 coisas comigo pela primeira vez.

Daniele e a Raquel vieram juntas do colégio do lado quando “mudou o sistema”. Eu sei que fizemos muitos trabalhos, fomos muito ao shopping de sexta, contamos muito segredos, dividimos friozinhos na barriga e com essas duas eu sempre tive contato. A Raquel ta namorando, vem sempre aqui no salão da minha mãe. A Dani eu encontro no shopping, está formada e continua a mesma Danizinha de sempre.

Onde está a Marisa, ora pois? Em Portugal! Toda sua família mudou pra lá e lá ela está, com uma sobrinha linda (e sobrinho também), namorando há uns 3 anos, super bem e danada como sempre! A Marisa tinha aflição de algodão e com ela eu comprei minha roupa das Chiquititas. Sempre ajudava ela com as lições e sentávamos pertinho. Ainda que de vez em quando, e depois de muitas cartas, nós sempre sabemos como a outra está.

No médio, eu me dou o direito de colocar uma única pessoa, a Taís. Mas sabia eu que ia carregar pro resto da vida! Ela foi chata no começo, mas com ela que fui a show, dividi blogs, que passei madrugadas conversando, que contei os maiores segredos e que tive certeza que a amizade não acabaria por nada. Não acabou e está longe do fim. E olha que são 7 anos já!

Tinha também aquele técnico de secretariado muito chato e quem agüentava comigo? A Luiza. E a gente reclamava juntas e ela almoçava com a gente. Ela sempre teve um jeitinho quieto, meio tímido. Agora ela faz psicologia e cadê ela?

Já na faculdade, também só vou falar da Amanda! Quando estudávamos de manhã, ela chegava de cara feia e só melhorava na hora do intervalo. Agora, em pleno quarto, último e abençoado ano, nós levamos bronca na sala porque conversamos muito. Pode uma coisa dessa? Mas é tão legal! Ela está na minha lista. Na minha lista de madrinhas, junto com a Taís.

Aprende que as circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos.
E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida.

11 de set de 2007

Tô gorda.

E o mau humor só vai passar quando eu emagrecer uns 10 kilos.

10 de set de 2007

Feriado de Classe Média Média

Ser pobre é muito fácil. É só juntar toda a família em uma kombi e mandar todo mundo farofar na praia grande. Aquela nojeira...

Classe média é que é fogo. Não se tem dinheiro pra fugir pra algum lugar, nem carro pra isso, muito menos coragem pra farofada. Então procuramos passeios alternativos.Um clássico é a voltinha no Ibirapuera. Aí quando você chega lá, a fila é tão imensa pra alugar uma bicicleta que você fica jogado na grama, pensando que nenhum lugar no mundo seria tão bom. Depois disso, a jornada do feriado continua. Juntamos os amigos, comemos brigadeiro e assistimos os mesmos fantásticos filmes repetidos com cheirinho de passado. Depois, longas conversas sobre coisas que já foram contadas, mas é uma ótima maneira de driblar o sono e fazer aquele dia durar um poquinho mais. Mesmo que em casa a semana inteira, finais de semana e feriados tem gostinho especial e continuo querendo que eles durem para sempre.

Aí então vem aquele sábado pós feirado. Todo mundo viajando, aquela belezura. E você bem que queria ter $ pra estar lá longe, mas tudo bem, a gente arruma como se divertir. Oa amigos ainda estão por perto e lavar a louça de manhã pode ser tornar bem divertido. De almoço, esfiha de carne. No final do dia diferente, depois de muita conversa, aquela vontade de colocar um vestido de noiva (!).

Um sentimento de que está acabando, o domingo é sempre chato. Pode ser parque com criança remelenta, dormir até tarde pelo encontro da noite anterior ou até mesmo ficar fazendo aquele trabalho inadiável da faculdade. Repito, domingo é sempre chato. Principalmente porque outro desses, sabe-se lá quando vai acontecer de novo...

6 de set de 2007

Para Sempre Cinderela...

Eu sempre fui admiradora número um de contos de fadas, com princesas, príncipes, sininhos, bruxas e inquietantes histórias de amor.

Achava realmente que um príncipe desceria de seu cavalo branco (será que cavalo tem que pegar trânsito?), nós nos apaixonaríamos loucamente com um simples olhar e ele e pediria minha mão em casamento com um diamante de uns dois kilos e meio. Percebi que não chegaria cavalo, príncipe nem nada parecido com isso. Do sonho eu não desisti, afinal, ainda acredito nesses malditos contos de fadas.

A gente cresce e os meninos que antes eram feios chatos e bobos mudam de repente. Eu sei que essa vida de perdição me trouxe um belo par de chifres do tamanho dos do pai do Bambi, fora as vezes que tive que ouvir “eu não gosto de você, sua bobona”.

Quando tudo estava aparentemente perdido (detalhe que eu só tenho 20 anos), apareceu ele. Ele não veio de cavalo, nem trouxe diamante e não foi a primeira vista. Eu nem achava que ia dar certo, mas já que tudo parecia perdido mesmo, que custava tentar? Ele parecia querer tanto...

Agora eu entendi tudo. Se ele me agüenta todo os dias com uma semana de TPM, faz tudo pra me agradar, ri das minhas crises muito fundamentadas de ciúmes, fala que eu não sou chata (todo mundo sabe que sou), não briga que eu durma em todos os filmes que ele escolhe e ainda fala que me ama, só pode ser meu príncipe. E não existe príncipe melhor no mundo. E nem princesa mais feliz.

5 de set de 2007

Eu nunca

Eu nunca fiquei bêbada.
Eu nunca fumei.
Eu nunca pulei de bung jump.
Eu nunca usei nenhum tipo de droga.
Eu nunca tive cabelo curtinho.
Eu nunca fiquei de biquini com o pessoal da escola.
Eu nunca faltei porque estava sem vontade.
Eu nunca xinguei de piranhona na cara.
Eu nunca fiz uma tatuagem.
Eu nunca coloquei um piercing.
Eu nunca gostei de História.
Eu nunca preferi BigMac.
Eu nunca falei uma verdades pro Sêo Ari.
Eu nunca andei de moto.
Eu nunca aprendi a me equilibrar em bicicleta.
Eu nunca fui de mini saia pra faculdade.
Eu nunca usei coturno.
Eu nunca gostei de barulho.
Eu nunca tive a intenção.

4 de set de 2007

Pequenininha folgada e ainda por cima magrela!

Cantando essas poucas palavras aí em cima, ela pula alegremente com seu vestido de princesa. Ela ainda tem 5 anos, e ela vai muito longe. O nome é Isabelle, mas todos a chamam de Bebé. Ela é simpática, conversa com todo mundo, sempre pára a brincadeira com as crianças pra dar um grande abraço e vive sorrindo. Poucas crianças são tão encantadoras como essa baixinha aí. E pra completar a doçura da pequenina, ela veio no meio da festa da Barbie dela e cochichou no meu ouvido: “Cindy, eu vou dar o primeiro pedaço de bolo pra você”. Assim ela fez e eu nunca vou esquecer.

3 de set de 2007

Top 5 - Reality Shows

Eu sou viciada nessas porcarias abaixo.

5 º On the Lot – People&Arts
A temporada já acabou, mas esses famintos por um contrato com a Dreamworks me surpreenderam. Não gostei tanto assim do resultado final, mas On the Lot é muito divertido. Com um tema a cada semana, os curtas melhoraram muito e independente do filme, era sempre legal ouvir os comentários do Gary Marshall...

Vencedor da 1ª temporada de On the Lot. Eu prefiro o Adam!

4º Minha casa, Sua casa – People&Arts
Dois vizinhos, dois cômodos, dois dias, um designer e um handy Andy. Eu queria eles aqui em casa, fazendo casa da praia de marte, aqueles quartos maravilhosos, aquelas cozinhas que tem de tudo. Sempre fica lindo! Se fosse aqui em casa, eu ia querer Carol Smillie apresentando, e Anna Rider Richardson decorando.

Carol Smillie e sua equipe de designers mais legal.

3º Extreme Makeover Reconstrução Total – People&Arts
Adoro assistir programas que choro. E esse sempre tem uma história bonita e uma casa construída em sete dias à altura. A família participante envia uma fita contando seu drama. Se selecionada, o Ty leva o caminhão e toda sua equipe e grita “Gooood Morning Silva Family”. As casas ficam uma obra de arte. É muito bom!

2º Project Runway – People&Arts
Heidi Klum mesmo com suas frases ensaiadas não faz com que seja um programa sem personalidade. Os estilistas têm que lutar pra cumprir os prazos e as roupas que eu jamais usaria. Os jurados nunca ficam satisfeitos e eles são cruéis como todo bom reality show de moda.
1º America´s Next Top Model – Sony
Número um! Quem resiste à cara de desprezo da Tyra Banks? Elas são nojentas, desprezíveis e eu não perco um. É uma coisa estranha, a mais chata de todas é a que você tem certeza que mais merece ganhar. Tem ainda gêmeas bizarras, cantoras de rap e um jurado chamado Miss Jay. Ah! Tem o Mr Jay também. Adooooro. “Do you wanna be on top??” Sente só esse olhar de desprezo total de Tyra Banks
Melrose! Eu te odeio, mas você merecia ter ganhado.

2 de set de 2007

Tudo começou com uma desejada festa de halloween

Aí pensamos na decoração, comida, bebida, músicas e achamos melhor ver primeiro quem seria convidado. Afinal, precisamos ver quanto de dinheiro conseguiríamos levantar pra planejar a festa.
Aí veio a terrível constatação. Não temos amigos. Temos namorados, temos uns aos outros, mas não temos amigos.
Ahhh como eu sou exagerada! Claro que temos, somando os das 3, chegamos as 10 amigos.
Desde a infância, prézinho, ginásio, colegial, último ano da faculdade e... não conseguimos bombar uma festa.
Onde será que erramos, meninas?

cindy diz:
não temos amigos mesmo
Amanda diz:
e por isso não podemos dar festas
Amanda diz:
nós somos losers, desculpe a franqueza...
Taís diz:
VCS TAO VENDO ISSO POR UMA PERSPECTIVA ERRADA
Taís diz:
NOS SOMOS TAO LEGAIS Q NAO É QQR MANÉ MICARETEIRO Q TEM O PRIVILEGIO DE PARTICIPAR DO NOSSO SELETO GRUPO SOCIAL
Amanda diz:
pode ser, mas os micareteiros nojentos conseguem fazer uma festa!