28 de fev de 2008

L o s t

Eu sou uma menina muito comportada que NÃO está baixando os episódios de Lost da 4ª temporada neste site aqui, ó, porque isso é proibido! Logo, eu ainda NÃO achei estranho o fato de só termos flashfowars nesses episódios e não mais flashbacks. Acho que os roteiritas ficaram acelerados com a tal greve.

Como já disse, sou uma menina muito comportada. Pra assistir as outras temporadas, eu NÃO peguei as temporadas emprestadas e gravei pra mim. Eu gosto de assistir tudo junto, de uma vez, mas conter a curiosidade depois do final da terceira foi muito difícil.

Aparentemente, o Charlie morreu em vão já que o Jack nem deu importância para o que ele falou e foi atrás do pessoal do helicóptero. O que parece que deu certo, afinal, de acordo com os flashfowards, ele saiu da ilha. No total seis. Ele, Kate, Sayid, Hurley e... Aaron? Ele conta? Pois é, que revelação, por essa eu não esperava. Não que eu saiba qualquer coisa que está aí acima, afinal, eu NÃO baixei os episódios e assisti.

Eu gostaria de entender o que é que Lost tem que deixa a gente viciado, curioso e surpreso. Esses caras entendem o que fazem. Cada episódio é um susto. Eu não entendo o que é que fez eles cairem na ilha, como eles vão sair e porque eles querem voltar depois, mas nem faço questão, porque ser surpreendido a cada episódio é o máximo.

10 Razões do porque amamos Lost de novo
Por Paige Albiniak para o NY Post

1. A atual temporada mantém a quase perfeição do final da temporada passada: Vimos os losties emboscando os Outros e mais tarde ficando à espera do resgate. Aquele final concluiu um capítulo e iniciou outro de uma maneira bem instigante. Essa nova temporada tem feito o mesmo.

2. Descobrimos o destino de Jack: Aquele final introduziu o flash forward e nos mostrou Jack entregue ao alcoolismo depois de deixar a Ilha. "O flash forward é parte de um plano maior para a série", diz Damon Lindelof, co-produtor executivo. "A 4ª temporada é sobre quem sai da Ilha e o fato de que eles precisam voltar. A 5ª será sobre porque eles precisam voltar e a 6ª é sobre o que acontece quando eles voltam."

3. Sabemos quem sobrevive: A 4ª temporada já introduziu seis sobreviventes: Jack, Kate, Hurley e Sayid [e mais 2 ainda não revelados]. Esses "6 da Oceanic" saíram da ilha mas um deles vai morrer - isso será mostrado nessa temporada. "Fizemos uma escolha de focalizar a história nos personagens que os fãs amama desde o início - Jack, Kate, Sawyer, Locke, Sayid e Hurley," diz Lindelof.

4. Os novos personagens são ótimos: Que rede complexa eles estarão formando? Daniel Faraday é um físico inseguro e Miles é um caça fantasmas de pavio curto. A antopóloga cultural Charlotte Lewis tenta continuar charmosa mesmo pendurada de cabeça para baixo em uma árvore. E Frank Lapidus é o piloto que deveria ter pilotado o vôo Oceanic 815.

5. Jack e Locke são rivais: Jack perdeu a liderança da Ilha para Locke depois de um racha que promete trazer muita tensão. Pensamos que Ben ainda está no comando das coisas especialmente agora que sabemos que ele tem um espião no cargueiro. "A maldade está nos olhos do observador," diz Carlton Cuse. "Se você é Benjamin Linus todos são vilões, menos você."

6. Sayid se juntou a Ben: O pessoal do cargueiro aparentemente representa uma ameaça maior do que os Outros jamais foram. Sabemos que Sayid trabalha para Ben no futuro e que Hurley está ajudando Locke a ganhar vantagens sobre Jack e Kate.

7. Ganhamos mais episódios: Lindelof e Cuse nos dariam apenas 8 episódios de Lost. Agora que a greve acabou, eles farão 13. O episódio 7 termina com um grande gancho e depois a série ficará fora do ar por um mês. "Teremos um mistério bem significativo respondido no sétimo episódio," diz Cuse. "O oitavo episódio foge do padrão tradicional da série dando início a algo novo."

8. Mais tensão sexual: O quadrilátero amoroso entre Jack e Kate, Kate e Sawyer e Jack e Juliet promete complicações deliciosas com Jack dizendo a Kate que a ama, Sawyer pedindo Kate para ficar com ele na ilha e Juliet salvando o dia para Jack.

9. As viagens da série: Parte do material promocional da série para essa temporada inclui o reflexo de uma cidade na água. "Estamos levando a série para fora da Ilha essa temporada para lugares como Berlin e Tunisia," diz Cuse.

10. Existe um final: J.K. Rowling convenceu Lindelof e Cuse a anunciar uma data final para Lost. "Quando ficamos sabendo que ela só escreveria sete [livros de Harry Potter], ficamos inspirados," disse Lindelof. "Séries como Grey's Anatomy não precisam ter um início, meio e fim definidos. Eles podem trazer novos médicos, enfermeiras e pacientes, mas séries como a nossa precisam saber onde vão terminar."

26 de fev de 2008

Boa música ruim

Eu não curto muito um forró, axé, funk, pagodão e samba. Também não fico feliz com Babado Novo e Chiiicleeeeteeeee, que pra falar a verdade, eu não sei se é axé, funk, padoge ou samba, rs, sei que forró não é. Acontece que, apesar de não gostar de nada disso, tem algumas músicas que mexem com a gente mesmo sendo ruim, e por quê? Porque elas nos fazem lembrar de alguma coisa que aconteceu lááá atrááás e ainda hoje, quando toca, dá friozinho na barriga.

1996 - Excursão do Colégio para, se não me engano, o "Vale dos Girassóis". Meninos contra meninas no ônibus, brincadeira das palavras nas músicas. O monitor comandava tudo. E a palavra dos meninos foi: marrom. Há! Ponto pras meninas! Marrom bombom, marrom bombom, nossa cor marrom, marrom bombom, marrom bombom, nossa cor marrom...

No auge dos meus 10 anos estourou É o Tchan! Na época, Gera Samba. E eu não cheguei a estourar, mas inflei. E gorda, eu tinha vergonha de dançar na frente dos outros, mas eu comprei um cd falso, colocava no meu radinho e Segura o Tchan! Amarra o Tchan! Segura o Tchan Tchan Tchan Tchan Tchan! By the way, eu faço tudo com um bambolê! Ou seria um Bambotchan?? Hehe

Piscina, sol, churrasqueira. Assim eram os domingos no sítio. Eu colocava minhas bóias nos braços e por nada, saia daquela piscina. E não dava pra comer, porque se a gente saísse da água pra comer, só podia voltar depois de 2 horas. Então eu ficava brincando na água e minha mãe quando passava, enfiava uma carne na minha goela abaixo. E no som: vem que eu nao aguento mais viver aqui sozinho, porque sem teu carinho a vida é solidão...

Nossa, tem várias... SPC e Raça Negra é o que mais tocava na época e na "Cidade FM", atual "Sucesso". E quando eu ia viajar com meus tios e no caminho na sexta a noite, nós íamos ouvindo "Love songs are back again...".

Bons tempos...

20 de fev de 2008

Dia 20 de fevereiro

...sempre será um dia triste pra mim. Foi nesse dia, há exatos 2 anos que perdi meu avô.

Ele era um baixinho super forte. Apesar das pontes de safena, meu avô não recusava serviço. Trabalhava como alfaiate desde que chegou no Brasil, aos 18 anos. Mas seu trabalho mesmo era cuidas dos caprichos da minha avó, função muita bem exercida por ele. Além disso, ele ajudava a montar e desmontar guarda-roupa, subir uma parede ou colocar um piso. E passeava no shopping nos domingos pela tarde.

Não conheci outra pessoa que desse tanta risada assistindo Pica-pau. Até Chaves ele topava! Ele era super bem-humorado e sempre tinha uma boa piada a respeito da situação. Lembro quando ele fazia coelhinhos com guardanapo. E tenho que confessar, ele sempre me livrava das exigências da minha avó: “Ninoca, deixa a menina namorar quem ela quiser, ela não gosta de japonês, fazer o quê???”.

E ele sempre atendia os meus caprichos também. Já usei uma sandália feita por ele de pano, só porque eu queria criar uma nova moda. E ele também tentou me ensinar Italiano, o que não deu muito certo, já que a aula dele de Italiano era só em Italiano... Ele fazia mágica com imãs e eu ficava encantada com como o imã se mexia sozinho (mas era ele que mexia o outro embaixo da mesa).

Quantas vezes ele não me levou ao médico, já que meu pai trabalhava. E mesmo com febrão e sono, eu não conseguia não rir quando olhava pra ele com o cabelo liso todo bagunçado quando entrávamos na sala às 5 da manhã e o acordávamos porque não dava pra esperar mais pra ir ao médico. Ele ajudava nas compras do salão da minha mãe, tudo que precisávamos, ele que estava presente.

Corri no corredor da entrada da casa dos meus avós muitas e muitas vezes. Umas pra pular as baratas de verão, outras pra apostar corrida com meus primos. Mas sempre admirei o retrovisor que ele colocou na parede pra ver quem estava no portão. Engenhoso, meu avô, cheio de detalhes. E além da dele, ele garantiu em vida que os três filhos tivessem uma casa, pra que não houvesse confusão após a morte dele. Pena que não foi assim que aconteceu...

Tudo que ele pedia era pra não incomodar ninguém. E foi assim que ele se foi... Do nada, pra não incomodar ninguém. E eu que não sabia como ia reagir com a morte de alguém tããão querido, caí em um buraco escuro. E pela primeira vez na minha vida, não tive medo. Meu avô acreditava em mim de verdade, não era da boca pra fora. Tenho certeza que onde quer que ele esteja, ele me acompanha sempre. Lógico, quando não está passando Pica-pau...

Com certeza, foi dele que herdei a quelóide. Assim com a nacionalidade italiana e o gosto pelo macarrão. É dele que vem o Lepore e é em homenagem a ele que meu futuro filho se chamará Giovanni.

Bodas de Ouro / Aniversário dele de 72 anos

18 de fev de 2008

Revolta

Eu não entendo nada de política, polícia, direitos e deveres, leis e problemas psicológicos. Pra ser bem sincera, eu não me preocupo com problemas dos outros que não conheço, evito assistir esses programas de tv que só mostram tragédia e nem Jormal Nacional eu me interesso muito.

Hoje de manhã, enquanto tomava café, meu pai na sala assistia um jornal da Record com a aquele repórter que costuma ser divertido no Hoje em Dia e eu fui pra sala. Depois de mostrar o maluco que resolveu andar na contra-mão na estrada ele deu uma notícia que me deixou inconformada.

No sábado, uma mãe maluca, com supostos disturbios mentais resolveu sacar o revólver do marido que é guarda-noturno e atirou nas duas filhas, uma de 4 (Vitória) e outra de 8 anos (Luana). Eu não consigo imaginar qualquer razão que exista pra cometer um crime desse tipo. Fico pensando no que passou na cabeça das meninas ao ver a mãe descontrolada com a arma na cabeça delas.

A vadia, pra melhorar sua situação, não deixou que as filhas fossem socorridas e já era tarde demais quando elas foram pro hospital. Claro que a mãe ficou ainda no local fazendo uma ceninha e dizendo que ia se matar, mas ela não foi mulher pra isso, óbvio. Covarde.

Eu sei que isso acontece sempre. Não é o primeiro caso e nem vai ser o último. Mas se tem alguém, na minha opinião, que merece ir pra cadeira elétrica sem esponja molhada é uma mãe que mata seus próprios filhos e filhos que matam seus próprios pais. Não existe distúrbio que justifique isso... E não existe pena que pague. Nessas horas, torço pra que exista inferno. E anjos... Já que a justiça daqui não faz muita coisa mesmo.

http://www.estadao.com.br/cidades/not_cid125718,0.htm

14 de fev de 2008

Alguém me salve?

Quando comecei a namorar o Du, ele disse que gostava de Smallville. Não só gostava, como colecionava as temporadas e perguntou se eu já tinha assistido. Eu, sem nunca ter visto nem de passagem na Warner, disse que não e que nem queria assistir porque era idiota. A Taís assistia com o Fábio no telefone muito tempo antes e eu até que ficava um pouco curiosa mais não queria assistir de jeito nenhum.

Um belo dia de falta do que fazer nessas minhas longas férias, eu resolvi pedir a primeira temporada, pra provar pro Du como era ruim. Aconteceu uma coisa terrível, eu me apaixonei. Por Smallville, pelo careca do Lex Luthor, pelo charmoso Jonathan Kent. Mas nada, nada se compara a Clarck Kent.

Eu não sei se é o fato de ele ser um completo idiota, de ser um pateta quando o assunto é amor, ou se é aquela combinação de camiseta azul e jaqueta vermelha que ativa o inconsciente da gente. Talvez seja toda aquela altura e lindo olhos do ator Tom Welling, mas só talvez, porque que nada, meu negócio é o Superman.

Claro que o Du nem fica com ciúmes, afinal, a culpa é toda dele. E que Lana Lang que nada! Muito menos Lois Lane. Em Smallville, queria mesmo que o Clarck ficasse com com a Chloe. Seria o melhor casal e ela é tão apaixonada por ele... Por sinal, já está tudo decidido! Se eu tiver qualquer bicho de estimação, o nome será Chloe ou Clarck e torçam pra mania passar logo, se não eu coloco Kal-el no meu futuro filho.


Como diz a Lois, "Garotão..."

12 de fev de 2008

Timidez

Definitivamente, eu sou uma pessoa tímida. Dessas que falam baixo pra não chamar atenção, que jamais iniciam uma consersa co quem não conhecem e que não pedem as coisas com medo de levar um NÃO.

Desde pequenininha, eu não me lembro jamais de ter sido diferente. Nem minha família ia muito com a minha cara, porque eu não era aquela adorável criança brincalhora. Tinha vergonha de cumprimentar, abraçar e conversar. Até a terceira série, eu tinha vergonha de comprar coisas na cantina do colégio (quando perdi a vergonha, por sinal, desembestei a engordar).

Até que melhorou um pouco com o tempo. Fiquei 5% mais comunicativa, mas ainda morro de vergonha quando tenho que enfrentar primeiros dias de aula, apresentações de trabalho e entrevistas de emprego. Meus amigos sempre foram os que sentavam do meu lado e só.

Percebi agora que enquanto eu não perder a vergonha, nada vai rolar. A entrevistadora não vai acreditar quando eu disser que abrir a porta era meu sonho desde pequenininha, não conhecerei contatos profissionais, ninguém que pode me indicar praquela super vaga e minha timidez está me impedindo de ganhar dinheiro!

Não sei ser diferente disso, mas estou disposta a aprender. E aceito sugestões.

7 de fev de 2008

Ai, ai, esse orkut...

Foi o Danilo quem me convidou pro site há muito tempo atrás. Por muitos meses eu resisti com poucas comunidades, participando ativamente em todas elas, com poucos amigos, tanto porque quase ninguém tinha esse tal de Orkut.

A Luiza chegou a me pedir pra convidar ela e a prima dela, porque naquela época, só entrava convidado. Realmente, acho que esse foi um jogo muito legal pra deixar as pessoas com vontade de participar. Tinha gente que até comprava (gastava money!$$! Tutu!!) convite pra entrar no Orkut!

E o Orkut foi evoluindo. As comunidades foram aumentando em um nível, que qualquer coisa que você pense, já existe uma comunidade a respeito no site de relacionamento. Como uma comunidade mesmo diz, "Orkut devia ser profissão", porque tem gente que vive pra pensar no que criar ou aprontar com o Orkut.

Campeão de fim de relacionamentos. Quantos pombinhos apaixonados não deixaram o site pra evitar confusão. E quanta gente não armou o maior barraco por causa de um scrap (ou vários scraps... Quem sabe até um testimonial?). Quantos fakes profiles e provocativas comunidades.

A gente também encontrou aquela professora do prézinho na comunidade da escola. Você não vê o molequinho que colou catota em você desde o Jardim II, mas lá está ele, na sua lista de amigos. É muito fácil ter amigo assim, poxa!

Pra piorar, ou melhorar, depende do ponto de vista, podemos saber quem andou fuçando no nosso Orkut, o que pode render várias surpresas quando ativado. E uma das últimas do Sr. Orkut, bloquear fotos, scraps, vídeos. Eu tenho a minha teoria, de que só esconde foto quem é feio.

Ai, Ai, esse orkut, viu?